Acesso Reservado aos Alunos

Untitled Document Ousar a Liberdade

Ousar a Liberdade


Já os antigos nos ensinavam que um corpo são depende de uma mente sã. Se agora eu perguntasse: "Qual dos leitores sabe que tem uma mente sadia?" Na certa muitos dedos se levantariam. "Eu!... Eu!... Eu!..."E o que é, na verdade, uma mente sadia?

Richard Bach, em seu livro "Ilusões", nos conta uma história interessante. Diz ele:

"Uma vez havia uma aldeia de criaturas no fundo do leito de um grande rio cristalino. A corrente do rio passava silenciosamente por cima de todos eles, ricos e pobres, bons e maus. Cada criatura, a seu modo, se agarrava fortemente às plantas e pedras no fundo do rio, pois agarrar-se era seu modo de vida e resistir à corrente era o que cada um tinha aprendido desde que nascera. Mas uma das criaturas disse, por fim: 'Estou farto de me agarrar. Embora não possa ver com meus próprios olhos, espero que a corrente saiba para onde está indo. Vou soltar-me e deixar que ela me leve para onde quiser. Se me agarrar, morrerei de tédio!'

As outras criaturas riram-se e disseram: 'Louco! Se você se soltar, essa corrente o lançará sobre as pedras e sua morte será mais rápida que a causada pelo tédio!'

Mas ele não lhes deu ouvidos, soltou-se e foi lançado sobre as pedras. Mas com o tempo, como ele se recusasse a tornar a se agarrar, a corrente o levantou, livrando-o do fundo, e ele não se machucou mais.

As criaturas exclamaram: 'Vejam, um milagre! Uma criatura como nós, e no entanto voa! É o Messias que chegou para nos salvar!'

E ele disse: 'Não sou mais Messias do que vocês. O rio tem prazer em nos erguer à liberdade, se ousamos nos soltar. O nosso verdadeiro trabalho é essa viagem, essa aventura!'

Esta história retrata a vida de todos nós. Vivemos agarrados tenazmente a tudo aquilo que nos ensinaram como sendo o modo correto de se viver, e procuramos de todas as formas adaptar as circunstâncias à nossa vontade e não pensamos jamais em nos ajustarmos à vida que nos rodeia. Assim, se no trabalho as coisas não vão bem, culpamos o comportamento dos colegas, do chefe, etc., e não admitimos que, se fossemos mais flexíveis, não seríamos atingidos pelo procedimento dos que nos cercam.

E na família? Sofremos, se aqueles com quem convivemos não agem exatamente como esperávamos que agissem e pretendemos sempre que eles correspondam aos nossos anseios. E por que não os aceitamos como são e procuramos entender o porquê de seu modo de ser?

À medida que nos agarramos às plantas do fundo do rio para evitar que a correnteza nos carregue, com medo dos novos rumos e novos mundos que iremos conhecer, nossa mente adoece. A mente não está confinada aos nossos limites tão mesquinhos: nossa mente anseia por ampliar-se, por tocar o universo. E, quando a mente adoece, o corpo somatiza. Aí aparece aquela estranha doença nas pernas, porque a situação que vive no momento "não pode continuar assim", ou aqueles acessos de asma, porque "não pode respirar o ar da sua casa", ou ainda aquela úlcera ou aquela gastrite por estar "engulindo situações" que lhe fazem mal.

Se o problema está na mente, não adianta querer sanar o corpo, porque qualquer terapia não seria definitiva. O primeiro passo para a verdadeira cura está na mudança interior, na capacidade de saber procurar a própria felicidade na compreensão e na adaptação constante às situações que se apresentam. A mente se solta, aprende a curtir a maravilhosa experiência que é viver porque, se soltarmos as plantas do fundo, "o rio terá prazer em nos erguer à liberdade e o nosso verdadeiro trabalho é essa viagem, essa aventura".

.................................................................................................................

Texto de Márcia Villas-Bôas

.................................................................................................................


Artigos